27/01/2010

"A do pecado..."


"Se eu te amo e tu me amas
Um amor a dois profana
O amor de todos os mortais
Porque quem gosta de maçã
Irá gostar de todas
Porque todas são iguais

Se eu te amo e tu me amas
E outra vem quando tu chamas
Como poderei te condenar
Infinita é tua beleza
Como podes ficar preso
Como um santo no altar

Quando eu te escolhi
Para ficar junto de mim
Eu quis ser tua alma
Ter teu corpo
Tudo enfim
Mas compreendi
Que além de dois existem mais


Amor só dura em liberdade
O ciúme é só vaidade
Sofro mas eu vou te libertar
O que é que eu quero se eu te privo
Do que eu mais venero
Que é a beleza de deitar

(...)

Se esse amor
Ficar entre nós dois
Vai ser tão pobre, amor
Vai se gastar


Amor só dura em liberdade (...)"



(A maçã - Raul Seixas)
.

25/01/2010

"Espere no tempo..."




Sabe, caro leitor imaginário, estava semana passada sentado no sofá da sala, assistindo o Festival de Verão (#chora) e pensando com meus botões: como o mundo dá voltas. Meu Deus! Aquelas coisas que você faz involuntariamente têm o grande poder de mudar tudo.

Três simples horas de conversa, faz você mudar completamente seu modo de ver a vida.

E, até então, isso é tudo o que eu posso postar. No mais, não mais. Deixe que o tempo reserve e me surpreenda com sua chegada e passagem.

Coisa boa? Com certeza! Danação? Sempre!

05/01/2010

"Mensagem para você..."


“Eu andei para trás e para frente todo esse tempo.
Porque eu sinceramente acreditei em você.”

(Taylor Swift – White Horse)

Ai, ai... Olha eu aqui outra vez para mais um daqueles desabafos de minha mente insana, caro Leitor Imaginário. Passei o dia de hoje quase todo intrigado com uma coisa: no decorrer dos últimos 9 meses, desde que comprei meu celular (nossa! Já tem nove meses!) nunca havia chegado o dia em que eu não havia recebido nem se quer uma SMS.

Agora, solteiro e com todas as pendências resolvidas, seja por internet ou por ligação, fiquei imaginando se eu não receberia nem se quer um “boa tarde” ou um “bom trabalho” de alguém. Alguém que você já sabe quem.

Eis que, já desiludido da vida, vejo meu celular vibrar e tocar o tom de mensagem. Quase não acreditei! No relógio, vi que passava das 22h00. 22h17, para ser mais preciso. E olha que nem precisei checar no celular agora para confirmar.

“Para você não dizer que eu não lhe desejo uma boa noite. BOA NOITE!”

Parecia que eu não iria precisar de mais nada. Queria uma SMS: consegui. Queria notícias: consegui. Queria um “boa noite”: consegui. E o melhor de tudo, da pessoa esperada. Mas, a mente prega peças na gente, que nem nós mesmos percebemos quando a bola de neve desce o despenhadeiro e começa a crescer.

Agora, não me sinto tranquilizado. Sinto-me vulnerável. Não sei bem se é isso que eu quero mais. Não sei. Simplesmente, não sei. Não sei se faz bem, se ainda vai fazer. E, até então, o celular permanecerá desligado.

Nesse novo ano não vou fazer promessas. Não vou fazer desejos. Farei de conta que este é uma maratona. Se eu quiser algo, vou correr atrás. Assim que descobrir o que quero com relação a isso, vou tomar a decisão e sei que vou conseguir. Minhas pernas são enormes, do tamanho da minha força de vontade.


“Isso não é Hollywood, esta é uma cidade pequena.
Eu era um sonhador antes de você chegar e me por para baixo.
Agora é tarde demais para você e seu cavalo branco aparecerem.”

(Taylor Swift – White Horse)