18/10/2011

O tempo voa, ame hoje!



O tempo voa e eu não sei nem por onde começar. Sei que passa de meia noite e que eu tenho que ir dormir, pois amanhã acordo cedo para trabalhar. Ironicamente lembrei que quando eu tinha uns 14 anos esse era o horário que as coisas realmente começavam pra mim. Foi dos 11 aos 18, talvez 19, vivendo só as coisas que as madrugadas ofereciam. Lembro também que meu toque de recolher era o quando começava o telecurso 2000, mesmo já estando em 2009.

Lembro também de todas as noites em que eu tinha prazer em ver passar enquanto eu lia minhas revistas teens e assistia aos meus DVDs teens, não existia coisa melhor pra mim naquela época. Hoje, sento em frente ao notebook e não consigo terminar de uma vez só um episódio de “Blossom”, uma série que era transmitida no Brasil pelo SBT e passava na hora do almoço. Antes, eu corria da escola pra poder não perder um segundo sequer, hoje eu corro assistindo ela enquanto tomo café da manhã pra não me atrasar para o trabalho.

Não é que eu esteja arrependido de nada ou que eu esteja reclamando, mas é que as coisas eram tão mais fáceis quando eu não tinha contas a pagar, nem tantas obrigações e a minha única preocupação era saber se o entrevistado daquela madrugada do Jô ia ser alguém interessante ou alguém do elenco de Malhação.

Por mais que o tempo esteja passando rápido demais, eu realmente não me importo se o mundo vai acabar em 2012, porque eu vou poder abrir a minha boca e dizer: Eu vivi! Eu estive aqui, eu conheci pessoas maravilhosas, eu tive amigos, eu tive uma família que me apoiou. Eu saboreei coisas, experimentei de tudo que quis, conheci lugares, senti o vento em meu rosto, senti calor, senti frio, senti a chuva escorrendo em minha pele e, o mais importante de tudo isso, eu senti amor. Amor que transmiti. Amor que recebi. Amor  que foi correspondido.

Portanto, caro leitor imaginário, não se importe se da próxima vez que for encarar o espelho, você venha a perceber que há um fio de cabelo branco em sua cabeça. Pense que, quando você foi jovem, você quis pintá-lo de verde, de vermelho ou de rosa e que você foi feliz em pensar dessa forma. O que nós somos hoje é pura consequência do que fomos há alguns anos. E hoje eu estou ainda mais feliz, espero que você também esteja. Viva o hoje, ame o hoje... AME, HOJE!

14/10/2011

"Locked in my head..."

O que realmente está acontecendo? Nem eu mesmo consigo entender ou explicar. Esse misto de sentimentos, uma sensação de dúvida, de cumplicidade. Um amor que explode e que não dá para guardar. Queria que fosse fácil, mas não é. Nunca é fácil quando o assunto é você.

Me pego pensando na gente em todos os minutos do meu dia. Você está em minha vida há cerca de quatro anos. Mesmo que pareça que eu lhe conheci na maternidade. Você conhece todas as minhas carinhas. Eu sei dizer o que aconteceu com você no raio dos últimos dias, mesmo sem ter te visto, no exato momento em que vejo seu olhar.

Esse sentimento que nos mantém vivos amedronta meu coração. Volto a falar em dúvida. E as nossas famílias? E os nossos amigos? O que eles vão pensar? O que eles vão dizer? Nunca vai ser simples. Nunca poderemos ser o que sonhamos ser. Seria tão bom expor tudo mundo à fora, para que todos percebessem o quanto é verdadeiro o que há em nossos corações.

Ao mesmo tempo sei que isso não vai poder ter continuidade, porque você vai encontrar alguém de outro sexo que possa fazer você mais feliz. Talvez não tanto quanto eu te faça, mas que vai poder lhe pegar no trabalho, lhe dar um beijo e te levar para casa. Fazer amor com você e dormir com sua cabeça deitada sob seu peito. Um amor que nunca vai ser o amor que a gente faz.

Eu queria muito que fossemos um. Mas não dá. Quem sabe, numa outra vida, nossos cosmos e destinos não estejam alinhados da forma que deveriam estar nesta vida. Enquanto isso não acontece, vamos nos manter em segredo, trancados em nossos corações.