28/12/2009

“Chamada não permitida...”



“Só não demore quanto o tempo pra chegar.”
(Ivete Sangalo – Quanto ao tempo)


Tem dias que você pensa que todas as coisas estão indo bem, estão dando certo. Depois de alguns instantes, passa a perceber que não.

Daí você, além de estar esperando por uma ligação, percebe que seu aparelho celular está fora da área de serviço. E que, quando retorna a área, a tão esperada ligação, ou até mesmo a SMS, não está lá. Você nervoso, ansioso, decide ligar. Ao discar aquele número – que ainda está na discagem rápida – recebe uma mensagem que diz: “Chamada não permitida”.

Não sei qual é a sua reação diante dessas coisas, caro leitor imaginário. Mas, sou muito de imaginar que os melhores sinais são vistos e percebidos através das entrelinhas. Será que essa chamada “não permitida” não foi “permitida” porque o celular estava fora de área ou porque é um sinal de que essa ligação já não pode mais ser feita por você?

O que fazer quando não há mais saída? Esperar que o tempo passe! E, só para constar, três meses é tempo demais. Hora de partir, olhar adiante e ser feliz. Nem preciso de ano novo para perceber que o que realmente importa está aqui em minhas mãos. Faça por merecer o seu amor. E faça com o que o amor que está sendo dado a você tenha sentido.


“Lágrimas não são forever.”
(Ivete Sangalo – Quanto ao tempo)
.

09/12/2009

"Time after time..."



A gente nunca pensa que um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar. Só que, melhor que isso, é saber que milhares de raios caem, sim, no mesmo lugar, ao mesmo tempo e com mais intensidade a cada minuto.

Sabe aquela sensação gostosa da picada do lovebug? Sabe aquele incomodozinho mais gostoso ainda em saber que seu corpo foi completamente picado e que a dor, não é dor, é prazer? É uma dor quente, que acalma... um prazer que convida, que chama, que induz. Um prazer que lhe faz querer mais, sempre mais, cada vez mais!

É um riso solto, largado, leve, feliz. Um abraço forte, que enlaça no mais perfeito encaixe como aqueles dos presentes de natal, com fita vermelha, da cor do amor, de 2,5cm de largura. Um beijo... um beijo? Váários beijos, várias vezes, de várias formas... melhor até que aqueles beijos de ponta cabeça de filme de super herói.

Um desejo incessante. Uma mordida, como naqueles filmes e livros de vampiro. Algo proibido, mas, gostoso. Que deve ser banido, mas, mantido de forma oculta, a sete chaves, como aquelas garrafas de Absinto. Por que “tudo que é proibido é mais gostoso.”

Falando em garrafas... tenho sede. Sede de você, você me alimenta, me supre, me completa... você me basta! Calcanhoto cantou vez ou outra “depois de ter você, pra que querer saber que horas são?”. Mas, Gadú trouxe-lhe a resposta, porque: “o tempo voa como eu, quando penso em você”.
.

01/12/2009

"Friend-chip..."

"I believe in you
you know the door to my very soul."

(How Deep Is Your Love - Bee Gees)



Caro leitor imaginário, assim, eu sei que já falei dessa pessoa aqui outras vezes. Não vou citar nomes. Não vejo necessidade. Mas, tenho muito orgulho em ser amigo dele. Ele é o meu melhor amigo, isso é fato. E não preciso nem conhecê-lo pessoalmente para ter certeza disso.

Hoje, quando estávamos conversando, percebi o quanto ele é importante em minha vida. Já havia percebido isso milhares de milhões de outras vezes. Mas é que, cada vez que volto a perceber isso, sinto como se fosse cada vez mais forte, mais seguro, mais sincero, mais concreto e mais eterno o que sinto, e na reciprocidade que é envolvida em nosso sentimento.

Sinto extrema necessidade de tê-lo por perto e saber de sua vida, é alimento para minha alma. Sinto como se minha vida estivesse estacionada, caso não conte a ele como foi meu dia. Sinto como se meu dia não tivesse valido a pena, ou não teve seu ciclo completado, quando não converso com ele. Ele é meu amigo, meu amor, minha vida!

Amigo, lhe disse mais cedo e vou repetir aqui: Daria um braço para te ter do meu lado. E, por mais que você tenha dito que fico “bonito com os dois brações”, eu lhe digo novamente: de que os vale, se não tenho você entre eles? Te amo, viu? Te amo em número quatro.


"You're the light in my deepest darkest hour
You're my saviour when I fall..."

(How Deep Is Your Love - Bee Gees)
.

05/11/2009

"Sem mais, eu fico onde estou..."

"Bem mais que o tempo
Que nós perdemos
Ficou pra trás também o que nos juntou..."
(Skank - Resposta)


Você chegou em minha vida, me trouxe alegria, me fez descobrir coisas, me encantou, me conquistou, fez com que eu me apaixonasse por você. Você, com toda sua inteligência, carisma, atenção, respeito, paciência e todas as suas milhares, inúmeras e incontáveis qualidades fez com que eu amasse você. Ainda não consegui encontrar defeitos em você. Hoje tenho certeza, eu nunca havia amado ninguém antes.

Todas as coisas têm um ciclo. Alguns chegam a dizer que todas as coisas têm prazo de validade. Mas prefiro acreditar que todas elas completam uma jornada. Com a gente não poderia ser diferente. Foram quatro meses. Cinco e meio, se contarmos os flertes e os momentos de conquista quase invisíveis, pois, na época, nós dois estávamos em fase de término de namoro. Parece até que nós nos encontramos na hora certa. Era realmente inacreditável. Eram recadinhos no Orkut, cerca de 70 ou 80 SMS trocadas num só dia, janelinha do MSN aberta da hora que conectava à hora que eu saia. Isso quando minha Internet não ajudava e o MSN caia. Mas nós sempre estivemos lá. Eu com você, você comigo. Juntos.

Nunca vou esquecer o tanto que cresci estando contigo. E sempre vou dizer isso em alto e bom som. Você é digno dos melhores momentos de minha vida. Eu me sentia mais eu quando estava com você. Me sentia especial, inteligente, capaz, esperto, engraçado... me sentia amado. Lembro que conseguia sentir seu abraço mesmo à 816 Km de distância.

Lembra quando a Lua de Sangue lhe trouxe mudanças? Lembra quando eu aceitei seu pedido de namoro escondido? Lembra quando a gente ficou vendo as estrelas sob a luz da Lua? Lembra que essa Lua também era uma Lua de Sangue? E você lembra quando prometeu para mim que era para sempre, e que se o para sempre fosse pouco, você inventaria outra vida só para poder me amar? Eu lembro.

Mas, sabe o que eu acho mais intrigante nisso tudo? É que antes eu conseguia lhe ver de alma nua, completamente despido de qualquer forma de repressão. Nós não tínhamos limites juntos. Eu podia ver seu coração. Eu sentia seu coração batendo junto ao meu. Era como se fosse um coração que batesse por dois. Ou algo tão sincronizado que sinfonia alguma jamais conseguiu tamanha perfeição em forma de ritmo como o bater de nossos corações.

Agora nem sei mais quem é você. Não consigo mais encontrar você. Eu, perdido, procurando por algo que foi quebrado. Algo que quebrei. Algo que antes de quebrar, já sabia que iria me arrepender. Será que vou ficar bem? Será que vou me curar?... Será que existe cura? Será que um dia vou conseguir enxergar você com os mesmos olhos de antes? Os olhos que enxergava em você os olhos que tinha o fechar mais lindo do mundo quando sorria. O sorriso mais lindo do universo.

Espero dos pedaços do meu coração que um dia eu consiga ter forças para olhar para você novamente. Olhar para você e ver você. Pois agora, tudo que vejo é um muro. Um muro de concreto. Algo inatingível, inquebrável e inconsequentemente incapaz de amar aquela pessoa que te jurou amor eterno, amor puro.

Você me negou. Disse que não seria capaz de voltar atrás, enquanto fui contra todos os meus princípios e fiz algo que nunca havia feito em minha vida: tentar voltar. Procurei você. Quis voltar. Quis você de volta à minha vida. Quis você de volta pra mim. Lhe pedi, implorei, ajoelhei, me humilhei, corri atrás e lutei. Lutei por nosso amor. Um amor que agora é só meu. Um amor que vaza por meu peito em pedaços. E que você negou.

29 de outubro de 2009 foi o dia em que completou-se um mês que nós deixamos de ser só um. Hoje sinto como se nosso ciclo estivesse completo. Você continua sendo você. Eu? Sou apenas metade. Sou um pedaço. Vagueio por aí a procura de algo. Mas nada e nem ninguém nunca vai ser bom o suficiente para suprir o vazio que você deixou em mim quando eu tive a infeliz ideia de te deixar, achando que assim seria melhor para viver. Aí deu-se o problema: viver sem você, não é viver, é sofrer. E por mais que você diga que não e por mais que eu possa arrumar locais para ir e tentar me divertir, é assim que vou me sentir.

Passei agora a ouvir novas canções. Tirei todas que poderiam me fazer lembrar você das minhas playlists. Agora ouço coisas que me dizem que “forever is over”. Ou que “tonight’s gonna be a good night”. Vivo me enganando e enganando a todos dizendo que estou bem, que estou melhor. Ouso dizer até que estou ótimo. Enquanto, só agora, me sinto aliviado. Pois era necessário desabafar.

Agora, pode negar o meu amor. Por que vesti meu orgulho e estou aqui de peito despedaçado e aberto para lhe dizer que eu, também, não volto mais atrás. Se é para ser como num jogo, jogá-lo-emos da maneira certa. Com todas as cartas na mesa e uma sempre na manga. Todos os passes foram meticulosamente ensaiados. Você foi o melhor jogador com quem já joguei. Mas ninguém ganha no final, por que o que está em jogo é o amor. E eu vim aqui para lhe dizer que ele acabou, pois eu o matei.

Game-over, baby.

.

24/09/2009

“O que há para refletir?”

Caro leitor imaginário, quando coloco algo na cabeça, viro o mundo de pernas para o ar até conseguir. Há vezes em que penso que podem ser coisas de momento, que simplesmente me chegam a cabeça e depois vai passar. Porém, na maioria das vezes – para não dizer “todas as vezes” – tudo aquilo que eu acabo pensando e desejando, é algo que eu realmente quero, algo bom. Algo, digamos, que tem futuro e que vale investir. ´

Planos, planos e mais planos. Estudar, estudar e estudar. Trabalhar, estudar, trabalhar e criar planos. Planos, metas, estilos. Estilo. Estilo de vida. Vontade de um estilo de vida. Trabalhar para consegui-lo. Estudar para se chegar lá. Ser quem és, para que o mundo lhe enxergue e veja muito mais do que aquilo que és. Não tem coisa mais linda do que ser surpreendido pelas pessoas quando elas percebem coisas que você faz, que nem você mesmo percebe. Fazê-las felizes. E, automaticamente, ficar feliz. Tem coisa melhor do que ser feliz? Tem sim! Trazer felicidade!
Seja um espelho, caro leito imaginário!


E essa tal e tão sonhada liberdade? Vontade de sair por aí correndo, andando, com sede de mais, descobrindo coisas, lugares e pessoas, almejando sempre o melhor. O melhor de mim, o melhor dos outros, o melhor de tudo. Querer, buscar e desejar o melhor, é o melhor que você pode fazer.

“So, put your arms around me,
and stay there forever.
I know it's easy words to say,
but I mean it more than ever!”
(Natasha Bedingfield - Put Your Arms Around Me)
.

20/09/2009

~ Believe.

O que fazer quando se tem tudo e ao mesmo tempo nada? O que fazer quando sabe-se a resposta e todas as senhas, mas não tem-se certeza de quando vai se sentir confiável e forte o bastante para usá-las? O que fazer quando se descobre que aquilo que há, muitas vezes não há, ou não é o que pensas?

Será que sou novo demais para ver tanta coisa com meus olhos? Será que sou novo demais para ver? Será que sou novo demais? Será que sou novo?

Ainda acho que há coisas em que eu posso acreditar...


“And I need something more to keep my breathing for, to give me something to believe.”
(The Bravery – Believe)

*Atendendo a pedidos, agora os links para download das músicas estão disponíveis. É só clicar no nome da música.

.

25/08/2009

"Um, dois, três... três meses!"

.
A Fine Frenzy - You Picked Me

Um, dois, três
Contando os sinais que nós vemos
Os altos edifícios
Desaparecendo com a distancia
Somente pontos em um mapa
Quatro, cinco, seis
Nós dois num ajuste perfeito
Você é todo meu, todo meu

E tudo que eu posso dizer
É que você me deixa louco

Tão macia
A chuva atrás das janelas
E o café forte
Aquecendo meus dedos
Nessa casa de pescador
Você me pegou,
Procurou na areia
E subiu na árvore
E me trouxe pra baixo

E tudo que eu posso dizer
É que você me deixa louco.

Como uma maça na árvore
Escondida atrás das folhas
Eu era difícil de ser alcançada
Mas você me escolheu
Como uma concha na praia
Somente outra peça bonita
Eu era difícil de enxergar
Mas você me escolheu,
Yeah, você me escolheu


"You are my life now"
.

07/08/2009

"Apenas mais uma confissão..."

Diga adeus a todas as coisas que não fazem bem a você.

Valorize as pessoas que te rodeiam. Esqueça suas preocupações.

Viva sua vida de peito aberto.

Escreva cartas.

Respeite.

Ame.

Diga que ama.

Viva.

Seja feliz.

Seja feliz!

 

A irracionalidade move montanhas e transforma sua vida.

.

02/08/2009

"E agora, José?"

“I can’t get no satisfaction.

And I try, and I try, and I try.”

(Satisfaction – The Rolling Stones)

 

Qual o motivo de nós nunca estarmos satisfeitos? Tem horas em que eu fico indignado com esse blog. Por exemplo, está tudo correndo absolutamente bem em minha vida. Fato! Está mesmo. Mas vem a questão: falar sobre o que aqui, quando se está indo tudo bem?

Antes eu vinha aqui pra falar das desilusões amorosas. Me expressava através de filmes, músicas e tudo mais. Eu adorava quando eu chegava aqui puto da vida e descarregava em cima de você, meu leitor imaginário absoluto. Falava, filosofava, chorava, penava, e depois tudo voltava ao normal.

Agora não tenho mais necessidade de falar sobre nada disso. Estou de férias, estagiando num lugar maravilhoso, cercado de pessoas maravilhosas, me divertindo muito, família bombando de confiança em mim, aprendi a dirigir \o/, e estou no relacionamento mais “tudo” de minha vida. Mas amor é muito chato para se falar sobre. Porque você vai e volta para a mesma coisa, tipo, todas as vezes. Tudo vai acabar numa declaração, numa jura, numa melosidade que não cabe aqui.

Então pergunto a você, caro leitor imaginário: Vou falar sobre o quê? Não, não vou falar sobre Harry Potter ou sobre o que eu comi no almoço, acho esse tipo de blog muito piegas. Afinal de contas isso aqui não é diário, é um confessionário, -oi. E Harry Potter é fantasioso demais pra mim. Ficção em minha vida só Edward & Bella, obrigado.

Gente, Michael Jackson morreu e as Pussycat Dolls acabaram... mas eu vou continuar vivendo apesar disso tudo. É incrível a quantidaaaade de fãs efusivos e repentinos de Michael no momento. Cada esquina da cidade está repleeeeta de DVDs, coletâneas, MP3 e tudo mais. Sem falar nas homenagens, livros, revistas e blábláblá. Olha, se quiser fazer algo pelo reconhecimento do meu trabalho, seja lá ele qual for, faça agora. Porque depois de falecido, só de adubo servirei. Ou não...

.

29/07/2009

"Minha master!"

"There's no stars in heaven that we can't reach!"
(Breaking Free - High School Musical)


Ela diz: "Domingo é o dia dos ecos – quentes, secos, e em toda a parte zumbidos de abelhas e vespas, gritos de pássaros e o longínquo das marteladas compassadas – de onde vêm os ecos de domingo? Eu que detesto domingo por ser oco".
Clarice Lispector

("Eu que detesto domingo por ser oco")... Eu concordo com ela!


Eu digo: Na verdade, na verdade, ultimamente todos os meus dias estão sendo ocos.

De que vale um dia sem ver seu sorriso e ter seu abraço, hein?

Mais fácil encontrar a resposta daquela pergunta boba da quantidade de gotas d'água no oceano ou dos grãos de areia na praia.

Aí sim pode-se chegar a uma resposta. Do contrário, de nada vale!


Ela diz: Oh, amigo!
Te amo um tantão, sabia?
É amor msm... E amor na verdade nem pode ser medido...
Domingo mato as saudades... e a gente vai fofocar horrores e tirar muitas fotos!



Eu digo: E que venha domingo!
Pra que a gente, como diria o Dreyer: "matar a saudade e deixar um pouco mais".

*-*

25/07/2009

"Já que é para inovar..."

.
.
“a felicidade sempre está ao alcance, dure enquanto dure, por isso devemos deixar de complicar nossas vidas...”


Nada como fazer as coisas certas para que as outras coisas dêem certo também. Você pensa, cogita as possibilidades, age e recebe o retorno. E é nesse retorno que você percebe a diferença.


~ Perdoe rapidamente, beije demoradamente, ame verdadeiramente...♥
.
.

04/07/2009

"Love In the City..."

É ótimo ver coisas que nos inspiram. Em meu caso, assistir a Sex And The City é uma delas. É incrível o poder que Carrie Bradshaw, suas amigas, suas histórias, sua coluna no The New York Star e, é claro, o seu romance com Mr. Big têm sobre mim. Sinto-me tocado pelas coisas que se passam na série, como se tudo aquilo estivesse acontecendo comigo. Pode me chamar do que quiser, caro leitor imaginário, mas, hoje à tarde e à noite, eu chorei feito criança na frente da TV. Chorei de felicidade, de tristeza e de saudade por algumas lembranças que me ocorreram no momento; chorei também com as lições aprendidas e com as lições de amor!...

Como é comovente a trama. Você se emociona e se apaixona por elas no início, enquanto passa a conhecê-las e apreciar os up’s and down’s de suas vidas amorosas e profissionais. Já no finalzinho das temporadas, mais especificamente nos últimos cinco episódios da série - que você sabe que está acabando, que é chegada a hora de mudanças e de tomar grandes decisões que mudam por completo a vida de cada uma delas - é que você percebe que tudo aquilo um dia pode acontecer com você. Aí, depois de uma espera de quatro anos, chega o filme (sorte minha que já tenho tudo nas mãos). Algo literalmente grandioso! Que nos mostra que conseguir um bom emprego, um apartamento confortável, um closet maior e ter a certeza de ter encontrado um amor igual aqueles dos filmes parisienses... E o melhor: amá-lo incondicionalmente, é essencial! Alimentando os corações daqueles que ainda acreditam no amor.

Identifico-me em um nível incalculável de identificação com Sex And The City. Não só com um personagem em particular. Mas às vezes sou duro e decidido como Miranda, bobo como Steve, sonhador como Charlotte, tarado e, profissionalmente falando, Relações Públicas como Samantha, indeciso como Mr. Big, e, sem dúvida nenhuma: jornalista, sonhador, apaixonado, romântico e louco por Manhattan como Carrie. O gosto por moda, designers, sapatos, restaurantes e muitas festas, o carinho, o amor e o respeito pelos amigos, é mera coincidência. Mas o sangue “nova iorquino”, sem dúvida alguma, corre em minhas veias.
I NY!

11/06/2009

"Comentário..."

Ao ler o blog da minha amiga Janyne, percebi que a situação em que ela está passando nesse momento já foi vivida por mim há alguns meses. Decidi, então, postar aqui o comentário que fiz no post dela, chamado: Mais Chances.

"Ano passado, quando voltei a postar no blog, eu escrevi sobre isso: Devemos agir com a cabeça ou seguir nosso coração?
Provavelmente, estava passando pelas mesmas coisas que você está passando agora. Eu, só agia com o coração e a pessoa... com a cabeça!

Foi difícil pra mim seguir em frente, depois desse meu post, vieram vários outros textos tristes, chorosos, de arrependimento, mas uma coisa eu tenho certeza: Tudo valeu a pena!

Nyne, as experiências de outras pessoas nos ajudam a entender certas adversidades. Mas, nada como nós mesmos passando por todos esses problemas e percebendo, a cada momento que a gente olha no espelho, o quanto a gente cresce com isso!"


Eu mesmo cresci muito! Estou com 1,84m! Sinal de que quebrei muito a cara por aí, né?! Haha. Caro leitor imaginário: quebre a cara, cresça, divirta-se nesse final de semana prolongado e um feliz dia dos namorados! Xoxo!

05/06/2009

"I'm just living my life..."

Você está dançando facilmente nos meu sonhos.
Esta me atingindo mais forte e mais forte com todos os seus sorrisos.”

(Magic – Colbie Caillat)

Eu sempre gostei de antes de iniciar um texto, colocar uma música pra tocar, pra dar mais inspiração. Mas hoje eu não quero isso. Hoje, vim aqui para falar de amor, amor puro, simples e verdadeiro. E não me importo de estar ouvindo The Pussycat Dolls, cantando When I Grow Up no MTV Movie Awards, bem na hora do break down. Quando as coisas têm que acontecer, elas simplesmente acontecem. Get it?
.
Não sou uma pessoa de acreditar em superstições, nem em demônios e coisas do tipo. Creio em Deus e no que é bom pra mim. Mas tem uma coisa: não acredito que aquela sandália que está virada para baixo vai me trazer algum mal, porém, se eu, ao sair da cama pela manhã, por primeiro o pé esquerdo no chão, não sinto que aquele vai ser dos melhores dias de minha vida.

Hoje, definitivamente, levantei com o pé direito. Na verdade, venho fazê-lo tocar o chão primeiramente com mais freqüência que o esquerdo nos últimos dois meses. Algumas pessoas podem achar isso estranho, mas isso não importa mais pra mim. Aprendi que nós devemos levar em conta, mais que em primeiro lugar, a nossa felicidade e a felicidade daqueles que nos cercam (mesmo estando a 816 km de distância) e que também nos querem bem!

Li por aí que nós não devemos cantar nossa felicidade muito alto, porque a inveja tem sono leve. Então, vim aqui cantar minha felicidade bem baixinho, só pra você, meu mais que caríssimo leitor imaginário, ouvir. E canto mesmo! Não só aqui, ultimamente tenho saído pelas ruas rindo a toa, fazendo cara de bobo, de menino apaixonado, como quem estivesse descobrindo o primeiro amor, daqueles que se sonha acordado, que fantasia coisas, que quer viver (e vive!) intensamente e que descobriu que amor verdadeiro existe sim!

Ah, sabe quando a gente era mais novo e tinha aquela coisa de agendas e diários que a gente escondia debaixo da cama pra que nossa mãe nunca descobrisse nossos segredos? (Por mais que a gente saiba que ela sabia mais das coisas que tinha ali do que nós mesmos!) Então, era em um daqueles diários que eu sempre deixava uma notinha para a paixonite do momento todas noites, depois de ter feito o balanço do dia, bem no finalzinho da página. E hoje, nessa confissão, estou afim de fazer isso.

“Ao meu amor mais lindo: hoje, que fui aprovado na prova do Detran, ficou marcado que qualquer dia desses eu vou buzinar em sua porta e sair pra passear com você em meu Volvo prata. Parar naquela praia deserta e correr por aí com você enquanto o vento frio de inverno beija nossas peles. Ver seu cabelo preto voando, caindo no olho. Rolar na areia com você, segurar tua mão, ‘olhar seus olhos de promessas fáceis e te beijar a boca de um jeito que te faça rir’ e dizer que te amo, bem baixinho, sussurrando em seu ouvido.
.
“O que eu vou dizer.
Quando você faz com que eu me sinta desse jeito?
Eu apenas... hummm.”
(Bubbly – Colbie Caillat)

28/05/2009

"É mágico, mas não é teatral..."

Caro leitor imaginário, hoje senti vontade de me expressar musicalmente. No momento em que eu estava pensando nisso, estava ouvindo a música "O anjo mais velho" de O Teatro Mágico e não pensei duas vezes em usá-la como forma de expressão. A letra da canção é de Fernando Anitelli:


"O dia mente a cor da noite.
E o diamante a cor dos olhos.
Os olhos mentem dia e noite a dor da gente."
-
Enquanto houver você do outro lado.
Aqui do outro eu consigo me orientar.
A cena repete a cena se inverte.
Enchendo a minh'alma d'aquilo que outrora eu deixei de acreditar.
-
Tua palavra, tua história.
Tua verdade fazendo escola.
E tua ausência fazendo silêncio em todo lugar.
-
Metade de mim.
Agora é assim.
De um lado a poesia, o verbo, a saudade.
Do outro a luta, a força e a coragem pra chegar no fim.
E o fim é belo incerto... depende de como você vê.
O novo, o credo, a fé que você deposita em você e só.
-
enquanto eu respirar.
Vou me lembrar de você.
enquanto eu respirar.
-
-
Dedicado à você, que herdou o sorisso mais lindo do mundo e a risada mais sincera que segue acompanhada do fechar de olhos mais fofo do universo! P.S.: PS and I loves you!

24/05/2009

“Nunca pergunte ‘por quê?’...”

“If I’ll lay here. If I’ll just lay here.
Would you lay with me and just forget the world?”

(Snow Patrol - Chasing Cars)

Por que algumas coisas parecem ser tão certas e tão erradas ao mesmo tempo? Por que você significa tanto pra mim? Por que a necessidade de se ter alguém é maior do que as outras necessidades? Por que seu sorriso é tão lindo? Por que as escolhas que nós fazemos nem sempre são as melhores? Por que alguns planos são feitos na mesma velocidade em que são desfeitos? Por que as pessoas mentem, traem, fingem e enganam? Por que todas as decisões têm que ser tomadas por nós? Por que suas mensagens de texto são tão desconcertantes? Por que as coisas parecem ser tão mais fáceis para as outras pessoas do que para nós mesmos? Por que que eu não consigo acalmar as borboletas em meu estômago? Por que as músicas despertam nossos instintos e nos transmitem sensações que nos fazem cometer crimes? (Sim, crimes). Por que só você me faz perder o sono? Por que suas mãos são tão lindas? Por que a vida nos filmes e seriados é tão perfeita? “Por que as pessoas perfeitas moram a 816 km de distância?”

Caro leitor imaginário, nem todas as perguntas são feitas para a mesma pessoa, até porque algumas são perguntas em que a resposta vai ser encontrada dentro de você (ou de mim). Mas, se um dia você encontrar a resposta certa para apenas uma dessas outras perguntas, você vai me fazer a pessoa mais feliz do mundo! Obrigado.

“Por que eu posso atravessar o mundo,
ver tudo e nunca estar satisfeito…
Se eu não pudesse ver seus olhos.”
(Jonas Brothers – Hello Beautiful)

13/05/2009

“Meu amor, nosso amor estava escrito nas estrelas...”

“Eu ficava olhando as estrelas, e fazia um pedido ao luar.
Eu buscava um amor nos meus sonhos, e um dia encontrei seu olhar”
(O Amor Faz – Sandy & Junior)


Hoje algo chamou minha atenção: vindo pra casa vi uma estrela-cadente. Fiquei surpreso com o acontecido por dois motivos: ao vê-la, me dei conta de que nunca mais tinha parado pra prestar atenção na magnitude do céu, gastar tempo observando a lua e as estrelas, ou simplesmente observar a chuva cair... Aquilo que chamam de “as coisas simples da vida”. Do outro lado, me dei conta de que, ao ficar impressionado com isso, perdi a oportunidade de fazer meu pedido, já que os pedidos só podem ser feitos no exato momento da queda da estrela.

Porém, ao virar a esquina percebi que a estrela tinha piscado mais uma vez, e, por sua vez, tornou a apagar. Cheguei a pensar que era um sinal pra que meu possível pedido fosse feito. Ao observar com mais sagacidade, meus olhos não falharam e me mostraram que aquilo não era uma estrela, muito menos cadente, mas, sim, um vaga-lume. Fiquei muito intrigado, como se aquele, sim, fosse um sinal, algo pra que eu colocasse os pés no chão, pra me mostrar que “nem tudo que reluz é ouro”.

É bom abrir os olhos pra enxergar as coisas de outro ângulo, pra eu perceber isso foi só virar a esquina. Nossos olhos às vezes nos confundem e pregam peças em nós. Principalmente se estão acompanhados de pensamentos que nos fazem viajar e esquecer que “a vida está aí pra ser vivida”.

Hoje, não sei se você reparou, caro leitor imaginário, mas a Lua veio vestida de sangue, em sua mais pura essência. Alguém muito especial me disse que as blood moons servem para mostrar que certas coisas não são o fim do mundo. Que algumas coisas machucam e que elas lhe fazem sangrar, assim como a Lua, mas que você ficaria bem.

Ouso compará-la com minha confiança: após passar por várias fases em um determinado tempo, eis que ela é adquirida. Mas, se você fizer com que ela se perca e a faça sangrar, ela some pra talvez nunca mais ser vista outra vez... como o cometa Halley.

Portanto, o melhor a fazer é esquecer que existem estrelas cadentes, por que elas podem ser apenas vaga-lumes; deixar para trás também os pedidos, por que o que tem de acontecer, uma hora ou outra acontece, é só ter fé e esperar; e, simplesmente acreditar no poder da Lua, porque um dia tudo vai ficar bem.

03/05/2009

"O tempo vai passar.."

“I don’t wanna talk, about the things we’re going trough.”
(ABBA – The Winner Takes It All)

Sabe aquelas coisas que só acontecem com você? Só chamam a atenção de seus sentimentos? E que por mais que as pessoas perguntem, e digam que entendem o que você está passando, você sabe que em seu íntimo elas realmente não entendem e que aquela é só mais uma pessoa que está compartilhando seu momento? Eu realmente não gosto de falar sobre isso. Mas vou ressaltar alguns pontos aqui que não cabem mais em mim.

Dói saber que todas as decisões são sempre nós que temos que tomar. Dói mais ainda quando essas decisões não são coisas relacionadas ao trabalho ou aos estudos que pode ser solucionadas em grupo ou é algo que não vai te afetar tão profundamente, e sim, quando estas têm ligação direta com as pessoas mais próximas à você. Nossa família e nossos amigos são os principais responsáveis por grande parte de nossos momentos mais marcantes. Momentos únicos que não voltam mais.

Sentimento é algo inexplicável. Um ato simples, meia dúzia de palavras pode te destruir por inteiro. Tenho medo de mim, sou muito rancoroso, às vezes nem me reconheço quando algo me incomoda ou quando estou com raiva de alguém. Isso mesmo, raiva. Sinto-me indiferente em relação à pessoa que sinto raiva, como se não precisa dela para nada. Sendo que, nesse caso, eu preciso (e muito).

Esse feriado foi uma miséria em minha vida. Quando eu mais precisei estar em outros lugares para ocupar-me com outras coisas eu não pude. Cansei de Internet, não tinha nada para estudar, não tinha (e nunca tem) nada em minha cidade. Até ontem quando fui à uma festa que foi boa nas 5, talvez 6, horas em que eu fiquei por lá, mesmo não tendo esquecidos esses sentimentos em momento algum. Quando voltei para casa e lembrei-me de tudo de novo, mastiguei todos os sentimentos junto com a angústia, com a ansiedade, com a impaciência, e com a falta de coragem de tomar uma atitude que me rendeu uma baita dor de cabeça. Não foi tão forte quanto uma enxaqueca, mas o incomodo daquele zumbido em meu ouvido foi a dose. Sem falar que eu não posso sequer culpar o álcool por isso, já que eu não bebo.

Infelizmente não vou me estender nesse post. Não posso falar mais. Só sei que essa história só vai ter fim quando EU quiser, porque é algo que ME incomoda. As outras pessoas relacionadas à isso (mesmo se importando e se incomodando) parecem não se importar e não se incomodar. Enquanto não tenho novidades, ficam aqui registrados minha raiva, minha angústia e todo o meu rancor.

Nem me preocupo, sabia? Tudo passa mesmo.
"O tempo passa e com ele passa a dor"
(Marjorie Estiano - Tudo Passa)

23/04/2009

"No bate-papo..."

Nunca imaginei postar trechos de uma conversa do MSN aqui no blog. Mas, uma breve discussão sobre o post anterior a esse com o Dreyer, despertou-me a vontade de partilhar isso com você, caro leitor imaginário.



I've Choose Live. diz:
eu li o seu texto
ÓTIMO!
- {www.danvictor.blogspot.com ● diz:
ohh, obrigado! ^-^
I've Choose Live. diz:
teve aquela sensação recentemente?
- {www.danvictor.blogspot.com ● diz:
rapaz... recentemente, recentemente, não!
mas sinto agonias constantes quando ouço algumas músicas
hahaha

I've Choose Live. diz:
eu sei como é! tenho umas musicas que me fazem isso também
- {www.danvictor.blogspot.com ● diz:
bate uma saudaaaaaaade²
I've Choose Live. diz:
uma vontade de ligar, de dizer que sente falta
- {www.danvictor.blogspot.com ● diz:
ISSOOO³³ isso mesmo!
mas passa rápido, pq eu sei que só foram bons aqueles momentos
e que não vai valer a pena voltar, sabe?

I've Choose Live. diz:
exatamente! ai vc pensa
pensa
e conclui que isso não seria bom

- {www.danvictor.blogspot.com ● diz:
issoooo³³³
hahahahaha
por isso que é bom guardar e deixar pegar poeira

I've Choose Live. diz:
que aqueles foram momentos vividos, que se transformaram em lembranças
- {www.danvictor.blogspot.com ● diz:
ahaaaam³, que é melhor parar por aí.


Será que precisa de complementos? Ou posso considerar o assunto encerrado?
[...]
Dessa forma, a corte determina o passado culpado e você livre! (Para amar e quebrar a cara mais uma vez!)

18/04/2009

“Quem nesse mundo faz o que há durar?...”

“Memórias, não são só memórias.
São fantasmas que me sopram aos ouvidos
coisas que eu nem quero saber.”
(Pitty – Memórias)


Caro leitor imaginário, siga meus pensamentos e imagine a cena: você está indo para uma festa. Você está lindo, com sua melhor roupa, seus sapatos novos e caprichou no cabelo. Aí, se depara com aquela pessoa que facilmente se imaginaria casado, com filhos e vivendo a vida que pediu a Deus. Ao passar por perto dela, eis que você sente um cheiro não tão agradável. Não, não é que ela cheire mal. Mas, por mero castigo do acaso, você sentiu que ela usa o mesmo perfume que uma ex sua usava, quando vocês estavam juntos.


Nada pior do que esses flashbacks, não é?


Enquanto isso, vendo por outro ângulo, isso pode ser uma coisa boa. Você lembra que aquele cheiro já esteve em sua pele quando estavam juntos. Você até sorri ao lembrar disso. Você vê fotos, vídeos, cartas... é incrível o poder que a mente tem de nos fazer voltar atrás com coisas tão simples, tão singelas. Como diria a amiga da Mata “peço tanto a Deus para esquecer, mas, só de pedir, me lembro.”


Falando em música, e quando você deita para dormir? Você deita e tenta relaxar daquele dia mega estressante, ultra cansativo que você teve, para recarregar as baterias para o dia seguinte. Aí, sintoniza o rádio na sua estação favorita, naquele programa da madrugada que toca aquelas canções bem gostosas que embalam você como uma criança no colo da mãe. Mas, não! Começam a tocar as primeiras notas daquela musica que serviu de trilha sonora quando você a viu pela primeira vez, ou no primeiro encontro, ou no momento do primeiro beijo. Pior ainda (se possível), se tocar aquela música que vocês ouviram quando dançaram juntos. Abraçados, os corpos bem próximos, a cabeça dela encostada na tua, as mãos dadas... ai, ai.


Mas, como li em algum lugar hoje à tarde: o único motivo para a pessoa viver feliz é vivendo o presente, porque o futuro não é para se pensar, é para se esperar. O que me faz pensar: e em relação ao passado? Por que, se nem o futuro é algo a ser “prosperado”, o que devemos fazer com as memórias do passado? Os aromas? As fotos? As cartas? As canções?... Tive uma idéia, caro leitor imaginário! Que tal guardarmos todas essas lembranças? As fotos e as cartas, guardá-las-emos em uma caixa e escondê-las-emos em baixo da cama pra encher de poeira. Já os aromas e as canções, que não fazem parte do material, esses serão guardados em um relicário bem no fundo do coração, pra serem lembradas de vez em quando, só pra gente sentir aquela agonia gostosa e, mais uma vez, relembrar...



“E até hoje não houve um só dia em que eu não me lembrasse. Daqueles nossos dias. E até hoje não houve um só dia. Em que eu não me lembrasse de você.”
(Tudo me faz lembrar você – Jota Quest)

06/04/2009

“Tô com vontade...”

Tá despertando em mim uma vontadezinha infinda de colocar meu braço sobre teu ombro. Trazer você pra mim, apertar seu corpo junto ao meu. E assim aquecer o friozinho de saudade apertada e que grita o que sinto por você, que você sente por mim e que está aqui no coração.

"Você é tudo que eu mais precisava.
Isso está escrito em todo o teu rosto."

30/03/2009

"Tá legal ou tá precisando de uma pimenta?"

Olá, caro leitor imaginário, estou numa fase muito TUSO (é tudo com "S"mesmo) da minha vida. Zapeando pelos blogs de meus amigos descobri esse questionário (?) no blog fofo da Flor. Pedi permissão e ela me deixou fazer aqui também.
É legal que dessa forma vocês passam a saber um pouco mais sobre mim. Depois me digam se minha vida tá legal ou se está precisando de uma pimenta. Me senti no Planeta Shoosha respondendo as perguntas do quadro Intimidade! *-* (Aham, Cláudia, senta lá.). Enfim...

01 - Plantar uma árvore (ou qualquer planta); Plantei feijão no algodão na escola.
02 - Ler no mínimo um livro por mês; Eu leio 1, 2... Mais ou menos. A faculdade ajuda e atrapalha.
03 - Escrever o primeiro livro da minha série; Já comecei uns 3 livros e tenho contos soltos, perdidos por aí. Antes (ou depois) de morrer, alguém os acha e os publica.
04 - Ir ao cinema no mínimo uma vez por mês; Pfffff. Cinema? O último filme que assisti no cinema foi Crepúsculo (*-*) em janeiro. E aí, gostou?
05 - Começar uma faculdade e fazer pós – graduação: Com fé em Deus concluo o curso de Jornalismo no final do ano que vem! (Y)
06 - Falar menos verdades doloridas; Às vezes, não é? Por que não é tão fácil assim. A gente camufla as verdades para que não venha a doer tanto.
07 –Fazer natação; Oi? Fazer o quê? Pffff, super afundarei. Sei nada de água. Preciso de um salva-vidas e de uma (Sa)bóia. Alguém se habilita?
08 - Colocar em dia todas as pendências médicas; Ah, isso sempre. Mamãe se encarrega de todas as férias nos deixar (meu irmão e eu) “nos trinques” no quesito saúde.
09 - Viajar para um lugar que nunca fui; Manhattan – NY (Viajar é bondade. Vou pra morar. Fica a dica monstra).
10 - Atualizar com freqüência meu blog; Isso realmente não faço, mas tento.
11 - Voltar a usar algum dos fotologs; Tem meu flickr. Voltei a postar lá. Os flogões da vida nunca mais.
12 - Fazer pelo menos 5 novas e boas amizades; Ahh, faço sempre. Eu sou legal! E, consequentemente, acabo atraindo pessoas legais também. (Y)
13 - Conseguir um emprego mais legal; Nunca trabalhei. Comofas/
14 - Aprender a falar outro idioma; Acho que vou começar a fazer Italiano esse ano. Tenho uns planos aí...
15 - Consumir menos refrigerante; Nunca fui muito fã sempre preferi os sucos. Mas as amizades me influenciaram a consumí-lo. Agora estou parando, tomos só nos finais de semana.
16 - Parar de ser pão-duro comigo mesmo; Nunca fui. Tudo o que quero (e posso) eu compro. Aprendi com mamãe. Sou quase um retrato do capitalismo.
17 - Espalhar felicidade; Sempre! Mesmo estando triste às vezes.
18 - Escrever uma música; Putz! Já fiz umas duas eu acho. Só sei que uma foi pra mamãe. Não me pergunte da outra. Não lembro mesmo².
19 - Fazer um curta-metragem; Nem longa.
20 – Parar de colocar apelidos nas pessoas: Never ever.
21 - Organizar de verdade meus armários; De janeiro em janeiro.
22 - Comprar o Dvd do Acústico Legião Urbana Mtv: Não encontro nem pra download.
23 - Encontrar amigos do passado; Encontrei alguns, mas faltam muitos.
24 - Falar para meu tio que é "giga" e não "ginga" em informática; Ai, um dia ele descobre. Tenho mais o que fazer. Se eu descobri, ele também consegue. Ele não é uma anta.
25 - Ter uma nova experiência; Preciso de uma cobaia (6)
26 - Aprender a jogar vídeo game: Já joguei demais. Não tenho mais paciência. (Y)
27 - Aprender a cozinhar um doce (diferente de bolo de chocolate); Atoron cozinhar. Só me falta tempo (e paciência) ultimamente. Mas, quando a fome aperta, sai um delicioso miojo.
28 - Aprender a cozinhar um prato novo; Sushi.
29 - Organizar os arquivos do computador: Todos estão em seus devidos lugares.
30 - Dar mais atenção aos meus amigos; Os que merecem têm toda a atenção do mundo.
31 - Aprender a dizer "Não"; Super fácil, gente. NÃO! –N! Ñ! Ene Á Ó Tiil: NÃO!
32 - Fazer uma peça artesanal; Estou à procura da mãe de meus filhos. Mandar currículo (com foto, por favor) por e-mail. Obrigado.
33 - Comprar/ganhar uma mochila nova; De fato estou precisando.
34 - Ir ao menos uma vez à praia; Um vez por mês, né?
35 - Começar a aprender algum instrumento musical; Quero aprender a tocar violão. Porém, é preciso aprender primeiro a encontrar tempo.
36 - Conhecer pessoalmente no mínimo um amigo virtual; Ano passado eu conheci vários: a Patynha, o Patrick, o Calleo... e esse ano eu já conheci o Ricardo e o Igor. (Caso eu lembre de mais algum eu atualizo*)
37 - Namorar por mais de um mês; Já consegui. Mas só se for à distância. No meu pé já basta minha mãe. Obrigado.
38 - Fazer caminhada uma vez por semana; Na academia. \o/
39 - Assistir dvd's pendentes; Estou tentando.
40 – Ler totalmente VIVA O POVO BRASILEIRO: Se fosse VIVA OS NOVA IORQUINOS...
41 – Terminar todos os assuntos inacabados: Mega impossível no momento.
42 – Colocar rosas no tumulo do meu pai em todos os seus aniversários: Cemitério? Nem entro. Acho o clima lá muito pesado, forçado e pá.
43 – Comprar um teclado rosa: Meu preto está me servindo muito bem.
44 - Me importar menos com quem não merece; Parece piada (agora). Mas antes eu não saberia responder. Até já falei disso aqui uma vez (vide último parágrafo).
45- Terminar desenhos: Pfff, nunca nem comecei.
46 - Fazer compras na Liberdade; Que Liberdade, gente? Hã? Não importa o lugar: faço sim. (Y)
47 - Dormir e acordar mais cedo; Dormir às 05h e acordar às 14h é cedo de madrugada e cedo à tarde, né? :D
48 - Visitar algum parente afastado; Se está afastado, é por que algo aconteceu. Então é melhor deixá-lo lá.
49 - Fazer algo que não gosto para deixar alguém feliz; Sexo. Euri/ Brincadeira. Existem sempre aqueles amigos que nos “forçam” a fazer indesejável. (Não estou conseguindo pensar num exemplo nesse momento.)
50 - Doar algo que me pertence; Roupas no final do ano. Acho digno.
51 - Falar mais para as pessoas o quanto eu gosto delas; Nem faço isso, né, gente?
52 – Beijar um estranho: Acho que nunca o fiz. Mas ainda é tempo. Rá!

Enfim², é isso. E aí, minha vida tá legal ou está precisando de uma pimenta, caro leitor imaginário? Hahahaha. Xoxo! ;*

25/03/2009

“Nossos ídolos ainda são os mesmos...”

"Isso chegou ao final.
Sentirei muito a sua falta.
[...]
E mesmo que continue, como poderei te esquecer?
Suas lembranças estão muito dentro de mim."

Adiós - RBD


Faz um século que li CAPRICHO, mas, acho que o Antônio Prata não ficaria chateado se eu passasse a começar todos os meus posts falando “Estive pensando...”, porque é realmente assim que eu gostaria de começar. Como não sei se ele tem isso registrado, vou continuar fazendo. Mas, vale ressaltar que não é cópia e que eu sei da existência da coluna no Antônio. Obrigado.

Enfim. Estive pensando, por que tudo que é bom chega ao final? Nossos meses como bebê (quando éramos paparicados por toda a família – hoje é só por papai ou mamãe... e olhe lá), nossa infância (quando brincávamos na rua de pique - esconde, polícia e ladrão, dono da rua. Até as milhares de horas jogando Mortal Kombat e Street Fighter no vídeo-game), o período em que estivemos na escola, alguns relacionamentos (ou muitos... ou nenhum), e, para uns, a adolescência (que, como todos sabem, é, definitivamente, a melhor fase de nossas vidas. Pelo menos a minha está sendo).

Mas, ainda não é disso que quero falar. Lembra quando você tinha entre 10 e 13 anos, e estava tocando no rádio ritmos pulsantes e convidativos como os de “Everybody” dos Backstreet Boys, “...Baby One More Time” de Britney Spears e é claro “Bye, bye, bye” do N’SYNC? Sem falar em Sandy e Júnior que esteve presente na infância de muita gente, com suas melosas e gostosas melodias, e aquelas versões que até hoje muitos insistem em fazer.

Nossa! Quantos sonhos não foram embalados pelas canções de Westlife, Spice Girls e Destiny’s Child, hein? Hoje, dos grupos que se dissolveram com o tempo e o desgaste das noitadas e da vida de artista, nos restam artistas que, graças a Deus, conseguiram manter-se firmes e fortes no showbussines, como: Beyoncé e Justin Timberlake. Sem falar na Britney, que, honestamente, pensei que não teria volta. (Obrigado, tio Jamie Spears – o papi da Britney).

Não sei quanto a você, caro leitor imaginário, mas, há quatro anos que um grupo chegou e marcou minha vida. Três letras, seis pessoas, uma fase (muito linda e especial) de minha vida. RBD chegou ao fim, mas deixou no coração de muitos fãs mensagens de Paz, Amizade, Fé e de um Amor, que como eles mesmos disseram no disco de despedida “nunca será substituído”. Não os compare com a novela, a ideologia deles vai muito além das roupas de colegial e do “y soy rebelde”.

Ainda vai chegar um dia em que todos esses artistas serão reconhecidos pelo trabalho maravilhoso que fizeram em nossas vidas. Foi uma década que infelizmente não volta mais. Mas, disseram uma vez que “recordar é viver”. E, aqui estou: vivendo!

"E hoje te digo adeus.
Lembrarei de você quando o Sol se pôr,
quando escutar nossa canção.
E hoje que me afasto de você,
precisas saber que estás em meu coração."

Adiós - RBD

23/02/2009

“Todos querem alguém para o BBB...”

*Se você tiver menos de 18 anos, aconselho que não leia esse post. Não que ele fale de coisas impróprias. Mas, nossa criação e visão do mundo podem ser um pouco diversificadas. Obrigado.

O texto segue com as palavras no gênero masculino. Ao ler, faça sua “apropriação”. Obrigado².



“Amy told me that she's gonna meet me up. I don't know where or when and now their closing up the club. I've seen her once or twice before she knows my face. But its hard to see with all the people standing in the way.”
If U Seek Amy - Britney Spears

Estive pensando: quando estamos em um relacionamento, ou buscamos por um, ou, até mesmo, estamos conhecendo alguém que possa vir a virar ficante fixo, namorado ou afim, sempre criamos sexpectativas. Eu generalizo mesmo, por que até os virgens ficam imaginando certas coisas em relação aos parceiros.


As pessoas buscam as outras para levá-las ao BBB. Não, não estou falando do Big Brother Brasil. E, sim, de algo que todos fazem e tem nome nos Estados Unidos. Bom, na verdade, é uma gíria. É a sigla para “Bed, bath and beyond”, ou seja, “cama, banho e além”. P.S.: Lá, nos EUA, é mais fácil levar alguém para cama, por que a cultura é outra. (No Brasil, em alguns casos, também é, mas, abafa!).

Enfim, muitas vezes nós nos arrependemos das expectativas criadas, pois em 99,9% dos casos as sexpectativas (ah, sexpectativas são as expectativas criadas em torno das práticas sexuais) são tão altas que muita gente acaba só no beijo, ou nem isso.

Não que eu esteja passando por isso no momento. Não mesmo! Estou muito bem com meu relacionamento, obrigado. Mas, quem nunca ficou animadinho por demais em um blind date da vida? Aquela ida ao cinema não teve um final feliz? E aquele barzinho que só foi bom na hora das biritas? Sem falar no baile de carnaval em que o seu acompanhante só estava “apresentável” enquanto estava usando a máscara, não é verdade? Expectativas demais não dá pé. Muito menos samba.

Acho que nem precisei daquela “censura” lá de cima. Me contive no post, e você, caro leitor imaginário, deve se conter nas expectativas. Principalmente nas sexpectativas. Por que BBB não está no ar todo dia para você dar uma sexpiadinha. Fica a dica.

“But all of the boys and all of the girls are begging to if you seek Amy”
If U Seek Amy - Britney Spears

20/02/2009

“Amor de amigo, amor de irmão...”

“Dizem que neste mundo, nada dura pra sempre.
Mas não acredito que seja verdade.
Pois o que eu sinto quando estamos juntos.
Sei que é assim, sempre sinto isso por você”

Enfim, estava lá na cozinha pensando sobre nós três. Imaginando quais seriam os dois que iriam se ver primeiro. Acho meio impossível os três na primeira vez, por isso pensei em dois.

Não sei, mas acho que vai ser o Savoy com alguém, provavelmente será o Teus, até mesmo porque ele vai morar lá em Brasília. Fiquei pensando também nas fotos que nós vamos tirar quando estivermos juntos, nas risadas, nas lembranças dessas conversas de MSN, do momento mais lindo e sincero de poder olhar no olho do outro e finalmente dizer: EU TE AMO!

Poder segurar na mão, abraçar, beijar vocês! Sonho muito com vocês! Só penso em vocês. Não consigo mais imaginar minha vida sem vocês. E, mais do que nunca, não vejo a hora de nos vermos. Nem que seja por um dia ou dois... Ou, nem que seja por algumas horas... Minutos, talvez? Mas, só de saber que eu vou poder olhar nos olhos brilhantes de vocês, cheios de lagrimas, sorrindo pra mim, eu já sou muito grato a Deus!

“De hoje até todo o sempre... esse é o tempo que serei verdadeiro.
Eu farei disso minha sina e te prometer eternamente:
Eu nunca vou parar de amar você”

Falo por nós três ao dizer: EU AMO VOCÊS, VIDAS DA MINHA VIDA! Amor de amigo existe sim! E, se for como o nosso, é sincero e eterno!
Dedicado aos meus presentes de Deus: Savoy Saboia e Mateus Rocha!*


*Só quis desabafar, porque eu posso morrer amanhã e vocês nunca iam saber isso.

“Chegará um dia que o mundo vai parar de girar.
E as estrelas cairão do céu, mas esse sentimento irá durar até que o sol pare de brilhar.
Mas tudo que eu quero é te amar.
Até o fim dos tempos”
Todos os trechos de músicas são de "I'll Never Stop Loving You" da Britney Spears.

18/02/2009

"Loiros em fuga..."

"Como um silêncio ao contrário.
Enquanto espero, escrevo uns versos.
Depois rasgo."


Adriana Calcanhoto - Uns Versos

E, inspirado na canção de Adriana Calcanhoto “Uns Versos”, venho aqui escrever nesse diário (que, ultimamente, encontra-se mensal devido a minha falta de tempo e disposição para tal). Afinal de contas, recentemente, eu só tenho entrado na Internet para falar com três, quatro pessoas (as outras eu vejo todo dia) e responder e-mails. A única diferença é que eu não vou rasgar, neste caso: apagar, os versos que estou criando.
Muitas coisas aconteceram em minhas férias. Fui à capital buscar Dalila!! E olha que encontrei, viu? Encontrei demais! Todos os dias que passei em Salvador foram maravilhosos. Simplesmente inesquecíveis. Os shows do Festival de Verão foram inexplicavelmente emocionantes! Conheci pessoas, lugares, sabores, cheiros e Dalilas que nunca irei esquecer! E, descordando da música de Jota Quest, um dia feliz só é raro quando não se está em Salvador! Porque lá, todos os dias são de pura felicidade!
Eis que as aulas voltaram! Já estamos lá batendo cartão todo santo dia. O melhor de cada retorno, além de rever aquelas pessoas que nós só encontramos nos corredores dos pavilhões, é a chegada dos calouros. Ain, é tão bom ver gente nova a cada semestre. Parece que vai ficando cada vez mais interessante... e fica, viu? É babado. Sem contar que a paixão pelo jornalismo cresce a cada instante.
Vejo uma nova temporada de festas (da sociedade e particulares, é claro!), idas ao cinema, sleepovers, viagens, congressos (ai, CONECADES), seminários, mais laços sendo feitos, e, porque não, sendo refeitos? Ou reforçados? A cada momento vivido e compartilhado com o outro, cria-se um novo olhar sob a perspectiva de um mesmo assunto. É quando um “eu te amo”, um “sinto falta do seu carinho” ou um “você é muito especial pra mim” passa a ter um sentido completamente diferente.
Ah! Caríssimo leitor imaginário, já ia esquecendo, levei um exato mês (de 15 de dezembro à 15 de janeiro) para perceber uma coisa: nós nunca devemos tratar como prioridade, aqueles que nos tratam como opção. A resposta à um tratamento, é o tratamento que lhe é oferecido. Faça como eu, encontre sua Dalila e fuja ligeiro! Ligeiro! Ligeiro! Ligeiro!

“Porque, às vezes, aquela montanha que você está escalando é só um grão de areia.
O que você esteve sempre procurando, está em suas mãos.
Quando você perceber, no final das contas, amor é tudo o que importa.”

Carrie Underwood – So Small

11/01/2009

"Verdades de brincadeira..."

"Se você tivesse acreditado nas minhas brincadeiras de dizer verdades, teria ouvido as verdades que eu insisto em dizer brincando. Falei muitas vezes como um palhaço, mas nunca desacreditei na seriedade da platéia que sorria."

CHARLES CHAPLIN

08/01/2009

“Por uma vida mais lilás...”

“Today is when your book begins.
The rest is still unwritten”
(Unwritten – Natasha Bedingfield)


Finalmente encontrei tempo para escrever! Tempo e motivos, para ser mais sincero. As férias acabaram com a minha cibervida! Desde o ano passado que eu não posto aqui. Msn, Orkut, Gmail? Oh, Gosh! Nunca demorei tanto pra responder um mísero scrap na vida. Mas, enfim, já os respondi.

Nossa, que Natal lindo! Família toda reunida, muitos presentes, sorrisos e um clima de harmonia digno de propagandas de cartão de crédito... literalmente, não teve preço. (Parabéns, vó!).

E o que dizer daquele final de semana, hein? Aquele depois do Natal, antes do Reveillon? Aquele considerado o último de 2008? Aquele das revelações, das mensagens no celular, do vinho (aquele que foi consumido e aquele que caiu nas roupas e toalhas), da cerveja, da vodka, do sorvete no banheiro, dos banhos coletivos, do baralho, do bicho que bebeu demais, dos óculos que foram rodados, das acerolas, da cama compartilhada, do Sheik... Sem contar os momentos absurdamente inesquecíveis ao lado de Saulinho, Victor e Léo no Massicas! Eles fecharam o final de semana só pra mostrar que o ano realmente valeu à pena!
AAAHHHH! O Reveillon! Não só o momento em que os ponteiros desceram rumo aos pinos do número 1 em meu relógio revelando os primeiros segundos de 2009, mas a chegada à cidade de Ilhéus, aquela carioca que vai voltar daqui à “seijss meisejss” (para dançar forró com a gente, fica a dica), as brincadeiras, o colchão inflável (que no amanhecer virava tapete), o bronzeador, o bloqueador, os banhos coletivos [2], a macarronada (que um dia quis ser cachorro-quente), o pão da virada que nos recebeu de portas (?) abertas naquela manhã de janeiro, os inseparáveis óculos de Sol (as pessoas estavam se sentindo no Big Brother, mas tudo bem!), a sereia do Batuba assediada por tudo e por todos, o vinho, a cerveja, a vodka, Jota Quest para aquecer os motores dia 30, e um Tomate tamanho família no dia 31 fazendo da nossa salada, digo, virada, a melhor de todas!
À vocês que estiveram comigo nos últimos dias de 2008 e nos primeiros de 2009, vocês que fizeram meus olhos brilharem de alegria, meu coração bater mais forte e em um ritmo mais intenso, meus poros se fecharem tamanho a emoção do arrepio, pelo aperto de mão, os abraços, as confissões, as lagrimas, os beijos, os banhos (e toda aquela ÁGUA! rs), pelo mais lindo e sincero sentimento de amizade: muito obrigado!

Para todos vocês, e à você, meu caro leitor imaginário, eu desejo um ano e uma vida mais lilás! Essa cor não foi escolhida à toa. O único e característico motivo da escolha foi esse: a camisa em que eu passei o réveillon era lilás, e, diferente do branco, do amarelo, do azul, do verde, do vermelho e do rosa, eu não sei o significado específico da cor lilás nas superstições de fim de ano, também não quis pesquisar. Se for algo bom ou não, isso eu não sei... Cabe à vida me revelar no decorrer dessas páginas brancas.
=)