23/12/2008

Borboletas sempre voltam...

Nada como uma ligação inesperada depois de uma tarde de chat no messenger, não é, caro leitor imaginário?
Você toma decisões precipitadas e as pessoas ainda esperam em você. O melhor de tudo é que, mesmo depois de certo tempo, você ainda pode voltar atrás... e você volta!

Queria dedicar essa canção à você:
“Você apareceu não sei como explicar.
E me trouxe de volta o sentimento de amar.

Me enfeitiça os momentos de amor e de paixão.
Com você é diferente me entreguei de coração.

Seu cheiro impregnado no carro da noite que passou.
O seu nome escrito no vidro.
São as marcas de amor.

Nessa noite a chuva não parou.
Porque você pediu ‘não pare, por favor!’.
E as estrelas iluminaram tudo e o sol nem chegou.

Perfeição foi o que aconteceu.
Descobri que o mundo gira a nosso favor.

Acordei você estava ali.
O sonho não acabou .”
(O Sonho não Acabou – Victor & Léo)


É tão bom saber que posso dormir, acordar ao teu lado e perceber que o sonho não acabou. Alt+3!

22/12/2008

Aqui e agora...


"Aqui,
agora que você parece não ligar.
Que já não pensa e já não quer pensar.
Dizendo que não sente nada.

Estou lembrando menos de você.
Falta pouco pra me convencer.
Que você é a pessoa errada"

Aqui - Ana Carolina.

14/12/2008

So, this is good-bye...

Forte, sincero e exposto... como o fogo.
Mas você recolheu tua lenha. Negaste fogo.
Faltaram forças recíprocas para continuar.
A fogueira apagou.
E eu... desisto do jogo. Tenho dito.


"Um doce novembro que foge de mim.
Assina o passado enquanto eu sinto o fim"
Doce Novembro - Marjorie Estiano

You know you love me...

Texto retirado do final do sétimo épisódio da segunda temporada da série norte-americana Gossip Girl.

Assim como as estações, as pessoas têm a habilidade de mudar. Não aconteceu com freqüência, mas quando acontece, é sempre para o bem.

Algumas vezes leva o quebrado a se tornar inteiro de novo. Às vezes é preciso abrir a porta para novas pessoas e deixá-las entrar.

Na maioria das vezes, é preciso apenas uma pessoa que tenha pavor de demonstrar o que sente para conseguir o que jamais achou possível.

E algumas coisas... nunca mudam.

E que comece o novo jogo!

Xoxo, Gossip Girl.

11/12/2008

Questão de Geografia.

Está tudo lindo. Estou de férias, estou muito feliz. Essas férias foram mais do que merecidas. Que semestrezinho infeliz, viu? Aloca! Quês professores! Quês trabalhozinhos tristes! Quês autores (Adorno e companhia limitada). Aff. Mas passou! Mais uma etapa da minha vida está concluída! Cheguei na metade! Só me restam mais mínimos dois anos!


Estou bem demais, tenho amigos ma-ra-vi-lho-sos. Amigos lindos que me acompanharam nesses meses loucos, nessas viagens loucas (p.s.: viagens de conhecimento mesmo, para outras localidades, e, é claro, viagens da minha mente), e que eu sei que sempre estarão comigo, assim como eu sempre vou estar aqui para eles.

Após o último post as pessoas vieram perguntar se esse seria realmente “o final” de “novembro”. Bom, se é o final eu ainda não sei, pois eu ainda não morri (H). Pelo andar da carruagem o “nós” entre o Doce Novembro e eu não vai acontecer tão cedo. Por quê? Por um único motivo: nós somos geograficamente incompatíveis (Y). Mas, tudo pode mudar. E se a montanha não vai à Maomé, Maomé vai até a montanha.

“O que vem não deve ser negado, o que vai não deve ser seguido.”

Autor desconhecido.

03/12/2008

"Para fechar novembro - Final"

E com esse post vim decidido a deixar novembro em novembro. Sabe quando você encontra algo que procurou por toda a sua vida, e, por algum motivo, não pode ter? É, foi assim que eu estava me sentindo.

Como disse no primeiro post do mês "let the past be the past". Isso é o melhor que nós devemos fazer. Deixe o passado no passado, caro leitor imaginário. Aprenda a conviver com os erros, e, principalmente, com suas conseqüências. Às vezes eles não tenham sido erros seus, mas nem sempre as pessoas conseguem enxergar, entender, ou aceitar aquilo que você tem a oferecer.

Achei esse texto em uma comunidade do Orkut, ele diz: “Pensando bem, em tudo o que a gente vê, e vivencia, e ouve e pensa, não existe uma pessoa certa pra gente.Existe uma pessoa que, se você for parar pra pensar é, na verdade, a pessoa errada.Porque a pessoa certa faz tudo certinho. Chega na hora certa, fala as coisas certas, faz as coisas certas, mas nem sempre a gente está precisando das coisas certas.Aí é a hora de procurar a pessoa errada.

A pessoa errada te faz perder a cabeça, fazer loucuras, perder a hora, morrer de amor.A pessoa errada é na verdade, aquilo que a gente chama de pessoa certa.Essa pessoa vai tirar seu sono, mas vai te dar em troca uma noite inesquecível.Essa pessoa talvez te magoe e depois te enche de mimos pedindo seu perdão.A pessoa errada tem que aparecer pra todo mundo porque a vida não é certa.Nada aqui é certo.”


Achei que tinha encontrado a minha pessoa errada... só que ela era certa. Certa demais. Aí não deu certo. Não! Pensando bem (longa pausa) ela era errada, por que depois dela tudo veio a calhar. Tudo. Mas, como disse (à pessoa) eu não me arrependo, não mesmo. Porque, por mais que a pessoa seja “errada”, outras coisas deram certo. Com ela aprendi muito. Sinto que agora que fiz dezenove anos foi que eu realmente alcancei a maior idade, cresci por dentro, como ser humano, como homem. E sinto que cresci por e para fora também, agora, como um homem, mais consciente e preciso em minhas ações, posso fazer coisas melhores para mim e para as pessoas ao meu redor.

Vale ressaltar que não ficaram mágoas, nem pedra sobre pedra, todos os pontos foram precisamente colocados nos is. E a única certeza que eu tenho disso tudo é que você vai ser sempre lembrado como o meu, e tão somente meu, Doce Novembro.

01/12/2008

"Para fechar novembro - parte 1..."

Caro leitor imaginário, considere este como um post do mês de novembro. Ele ia ser postado na madrugada de sábado, só que como estava chovendo não consegui estabeler conexão com o ciberespaço, aí já viu, não é?


"Hoje fui vencido pelo ócio. Até que fiz algumas coisas, mas nada demais, ou nada que possa ser considerado um feito muito produtivo, or wherever. Passada a longa tarde, regada a muita música e vídeo, e a minha quase paciência plástica para com o computador e suas conexões de rede, eis que recebo a visita de um amigo. Conversamos, colocamos parte dos assuntos em dia, e, após muita insistência, também fui vencido por ele, que conseguiu me desenraizar de casa.

Após o banho, a roupa, e a pizza, eu estava pronto. Fomos à casa dele, conversamos mais um pouco, ele tomou banho, pôs a roupa, comeu e lá estávamos nós, “prontos” indo rumo ao “desconhecido”, (algo desconhecido em uma cidade pequena é coisa de cego). Mas tudo bem.

Estava chovendo, no entanto, isso era só um detalhe. Fomos à procura de outro amigo, que acabamos encontrando minutos depois. Este, por sua vez, nos levou à casa dele, banhou-se, vestiu-se, mas, diferente de nós, não comeu. Por outro lado, acabou nos convencendo a sair de casa para ir a rua comprar algo para comer. Comemos mais uma vez.

Estupefatos, fomos à um barzinho. Lá, todas as caras possíveis e imagináveis já haviam sido vistas por todos nós, até os desconhecidos já eram conhecidos. Ficamos lá por mais alguns minutos. A chuva nos convenceu a ir para casa, e assim o fizemos."


Tive que parar por aí, porque a continuação da história não é nada apropriada para a temática do blog. A não ser que eu introduza censura, haha. Só preciso dizer uma coisa: após o acontecido, vim para casa na madrugada tomando um refrescante banho de chuva, mas com a cabeça doendo. O remédio para minha cabeça? Eu repeti a dose no domingo.

É, os velhos (e MA-RA-VI-LHO-SOS) tempos voltaram.
"It's Daniel, bitch!"